6 erros de Português que você provavelmente comete e nem percebe

A Língua Portuguesa é melodiosa, rica, exuberante, e… complicada.

Vemos tanto leigos como profissionais cometendo erros em e-mails, textos de blogs, anúncios, e por aí vai.

Isso se deve principalmente à grande diferença que existe entre o  Português  formal  e o  Português  coloquial.

O formal é o Português estritamente correto, que segue todas as regras gramaticais e semânticas.

Por outro lado, a linguagem coloquial é aquela que usamos no dia a dia, quando estamos conversando com as outras pessoas. É a língua falada.

Quando falamos, nos permitimos cometer erros “saudáveis” porque a gente acaba entendendo o sentido geral do que está sendo dito.

Só que na hora de escrever, alguns desses deslizes podem alterar a lógica das frases. Aí que mora o problema.

Por isso, preparamos uma lista com  6 erros de Português que você provavelmente comete e nem percebe.

E aqui vai uma dica para o pessoal de Exatas: esses erros são, de certa forma,  falhas de lógica. Então se você encarar assim, fica bem mais fácil acertar!

Erro 1. Superestimar o poder da palavra “que”

Esse é talvez o erro mais comum: achar que a palavra “que” é mais versátil do que ela realmente é. Ou seja, achar que podemos usá-la em mais situações do que realmente podemos.

É muito comum ver o “que” sendo usado para substituir qualquer pronome ou palavras que façam função de pronome, como “onde”, “em que”, “ao qual”, “cujo”, dentre outros.

Exemplo:

Errado: “O aluno  que  o pai foi chamado para reunião com professores na escola”

Certo: “O aluno  cujo  pai foi chamado para reunião com professores na escola”.

Ou ainda:

Errado: “O parque de diversões  que  ele foi”

Certo: “O parque de diversões  ao qual/onde  ele foi”

Repare que nesse segundo exemplo existe mais de um modo de se escrever da forma certa.

Erro 2. Não colocar vírgula separando vocativo do resto da frase.

Outro erro hipercomum. Quantas vezes você já leu, ou escreveu, um e-mail que começa assim:

“Bom dia Luciano”

O correto seria:

“Bom dia, Luciano”

Não se trata de um erro crasso. É claro que dá para entender que o bom dia foi dado ao Luciano.

Porém, está errado. O motivo é que a ausência da vírgula muda o sentido da frase, por mais que pelo contexto dê para sacar.

Para ilustrar: qual é a diferença de  significado  das frases “Bom dia, bonitão” e “Bom dia bonitão”?

A primeira, como tem vírgula separando o vocativo do resto, é claramente uma saudação a alguém que tem o apelido de “bonitão”. Na segunda, como não há vírgula, a palavra “bonitão” é um adjetivo/característica de “Bom dia”.

Erro 3. Não colocar o verbo no plural quando ele aparece antes do sujeito (que está no plural) na frase

Exemplo:

Errado: Chegou  duas cartas pra você”.

Certo: “Chegaram  duas cartas pra você”.

A maioria das pessoas não errariam se o verbo estivesse depois do sujeito: “Duas cartas  chegaram  pra você”. Nessa construção, fica mais fácil acertar.

Então a dica é: da próxima vez em que você for escrever uma frase com verbo antes do sujeito, coloque o verbo depois e veja se a frase faz mais sentido.

Erro 4. Não saber usar crase

O uso da crase parece ser um terror na vida de muitos. Só que a regra para entender quando podemos e não podemos usá-la é, na verdade, bem simples.

O “à” é a mesma coisa do que “ao”, só que para objetos femininos. Veja o exemplo:

“Estou indo ao banheiro”. Repare que banheiro é um objeto masculino, por isso o “ao”.

Agora veja só: “Estou indo à farmácia”. “Farmácia” é um objeto feminino, então usamos a crase.

Um macete legal pra não errar é fingir que o objeto é masculino. Olha só:

Você está na dúvida se na frase “A Carol disse à Marcela que tirou 10 na prova”, esse “à” é com crase ou sem crase.

É só substituir o objeto feminino Marcela por Marcelo e ver se, nesse caso, poderíamos usar o “ao”: “A Carol disse  ao  Marcelo que tirou 10 na prova”.

O “ao” faz sentido na frase, então aquele “à” é com crase mesmo!

Erro 5. Escrever “no” ao invés de “ao”

“No” tem sentido de “dentro”, e “ao” tem sentido de “para” ou “em direção a”.

Usando um exemplo semelhante ao do erro anterior:

Na hora de falar, quase sempre dizemos “Vou no banheiro”. Mas na hora de escrever, o correto é “Vou ao banheiro”, pois você vai  para/em direção a o banheiro.

Por outro lado, seria correto escrever “Vou lavar as mãos no banheiro”, porque você vai realizar a ação de lavar a mão efetivamente  dentro  do banheiro, e não  em direção/rumo  ao banheiro.

Erro 6. Esquecer o acento circunflexo no plural do “tem”

Esse é bem simples de apontar.

Exemplo:

Errado: “Elas  tem  muitos animais de estimação”

Certo: “Elas  têm  muitos animais de estimação”

Tendo consciência desses erros, com certeza você vai se sentir mais seguro na próxima vez em que for escrever um e-mail para o seu chefe. ?

2018-02-05T09:54:15+00:0023/09/2017|